Gorillaz – Humanz | Resenha - Ligado à Música | Ligado à Música

Gorillaz – Humanz | Resenha

04/05/2017  |   Por:

gorillaz-humanz

Nota: 8

Uma das parcerias mais bacanas do homem de um milhão de projetos, Damon Albarn, está de disco novo na praça. Depois de sete anos sem um repertório de inéditas, a banda virtual Gorillaz acaba de lançar “Humanz”, seu quinto álbum de estúdio, sucessor do ótimo “The Fall”, de 2010. O novo trabalho vem cheio de participações especiais. Entre elas, destaca-se a diva Grace Jones, De La Soul, na faixa “Momentz” e Noel Gallagher – quem diria – em “We Got The Power”.

Damon Albarn e Jamie Hewlett começaram a pensar em “Humanz” em 2016 e Albarn o definiu como uma “festa para o fim do mundo”, imaginando como seria se caso Donald Trump fosse eleito para a presidência dos Estados Unidos. A ideia que pode ter soado absurda há um ano, tornou-se realidade, e o que se houve nas 20 faixas e vinhetas do álbum são lamentos e descontentamento em forma de música dançante.

Menos preocupado em rechear o álbum com o pop de refrões grudentos como nos trabalhos anteriores, o Gorillaz, dessa vez, abre ainda mais espaço para o hip hop, o que fica claro logo na abertura com “Ascension”, que conta com a participação de Vince Staples. Não que o pop radiofônico não esteja presente, mas pode-se dizer que está em um segundo plano.

A música eletrônica em suas várias vertentes, é o que dá o tom o tempo todo, criando uma espécie de “unidade” em um trabalho que apresenta uma grande diversidade de estilos e características que surpreendem a cada faixa. Nesse sentido, temos a nada carnavalesca “Carnival”, com os vocais poderosos de Anthony Hamilton, e “Momentz”, que traz a participação do De la Soul, é uma das músicas mais interessantes de “Humanz”. Pesada, cheia de personalidade e, sem dúvida, prontas para fazer bonito na pista de qualquer parte do mundo.

Outro bom momento é a balada um tanto melancólica “Charger”, com a luxuosa presença de Grace Jones. E para os fãs que podem sentir um pouco de falta do som dos antigos trabalhos da banda, “Let me Out”, com Mavis Staples & Pusha T, é a melhor referência para quem prefere esse “passado”, aparentemente superado, mas nunca renegado.

“We Got The Power”, parceria com o ex-Oasis e “ex-rival”, Noel Gallagher, fecha o disco com uma mensagem positiva, depois de muitas críticas e uma visão muitas vezes um tanto apocalíptica. E é bem por aí. As letras, quase sempre com um tom descontente, encaixam-se em melodias animadas que, a princípio, parecem não combinar entre si.

Ao final da audição, que na versão delux ainda conta com mais cinco faixas, que na verdade, destoam um pouco do conceito original de “Humanz”, o que fica é uma experiência rica em diversidade sonora, já que o grande número de convidados contribuiu cada um com suas influências. Não há muito do que se ouviu nos primeiros quatro álbuns da banda, o que não é, necessariamente, ruim. Talvez, apenas cause estranheza a quem queria um pouco mais do mesmo.