Supercombo: O lado do bem e do mal em 'Rogério' - Ligado à Música | Ligado à Música

Supercombo: O lado do bem e do mal em ‘Rogério’

24/10/2016  |   Por:

supercombo-divulgacao-filipe-rodrigues

O Supercombo se prepara para fazer a estreia do novo show em São Paulo, para promover o álbum “Rogério”. A apresentação acontece neste domingo (30), no Clash Club, que também contará com as bandas Far From Alaska e Ego Kill Talent.

Conversamos com o fundador do Supercombo, Léo Ramos, sobre o quarto disco de estúdio do grupo. O vocalista e guitarrista comentou a respeito de “Rogério”, desde a produção, concepção de capa, e participações especiais como Sergio Britto (Titãs), Emily (Far From Alaska), Gustavo (Scalene), Negra Li, Lucas Silveira (Fresno), entre outros. Confira a entrevista a seguir.

LIGADO À MÚSICA: Vocês acabaram de lançar o novo álbum “Rogério”. Como foi o processo de produção?

LÉO RAMOS: A gente começou a trabalhar neste disco logo que acabou o “Amianto” (2014), praticamente quase emendou uma produção na outra, porque a gente é muito interativo e não consegue ficar sem fazer música. Então, cara, por ter muito tempo ainda para produzir, a gente foi fazendo as músicas na medida em que fomos tocando em alguns lugares, em camarim de show, em hotel e, claro, a gente guardava nossas ideias e trazia, e de alguma forma, passava para o computador e deixava jogado tudo em uma pasta, e esquecia. Até que um dia, passou mais ou menos um ano que a gente estava coletando essas ideias, a gente chegou e escolheu as melhores. Mesmo assim, a gente gravou dezenove músicas e escolhemos doze.

LIGADO À MÚSICA: De onde surgiu esse nome “Rogério”?

LÉO RAMOS: A gente quis chamar, dar o nome, personificar o mal e tudo de ruim, negativo da vida, de todo o ser humano, chamamos de algum nome. Só que a gente não queria usar um nome clichê, tipo do lado ruim, diabo, ou qualquer coisa, então a gente decidiu colocar um nome de ser humano nessa história inteira, porque, afinal de contas, é do ser humano mesmo que estamos falando. Daí a gente falou, “poxa, vamos colocar Rogério”. O nome “Rogério” veio totalmente da zoeira. Não tem um motivo para ser “Rogério”, porém, a gente gosta do conceito do disco ser uma coisa bem séria, porém, o nome ser zoeira. A gente gosta de uma coisa sem proposta da outra. Então, a gente acabou optando em deixar assim mesmo.

LIGADO À MÚSICA: O CD tem um encarte bacana, com pôster, também tem uma brincadeira em 3D…

LÉO RAMOS: Tem, exatamente. A gente fortaleceu essa ideia do lado ruim e do lado bom de todo mundo, por isso que a gente quis ter no encarte também de alguma forma isso inserido. Aí que veio a ideia do Juarez [Tanure], o designer, fazer essa onda do 3D com a lentezinha que você vê uma parte azul que está todo mundo normal e a parte vermelha que está todo mundo chamuscado e esquisito, e estranho. E a gente conseguiu reproduzir isso de uma maneira que ficou bem legal no encarte que dá para entender. Eu achei bem bacana.

supercombo-rogerio

LIGADO À MÚSICA: Eu achei também que valoriza a mídia física.

LÉO RAMOS: Exatamente, e o CD hoje em dia é quase um cartão de visita, né, cara. Então, a gente quis fazer uma brincadeira para ver se dá uma motivada. (risos)

LIGADO À MÚSICA: O disco tem diversos convidados, como foi a escolha deles? Eu tive a impressão, não sei se é a ideia de vocês, de que são várias gerações da música nacional reunida.

LÉO RAMOS: Então, cara, eu não tinha pensado por esse lado, mas sim, com certeza tem isso ali bem apresentado de alguma maneira. Mas o que acontece é assim, todo mundo que a gente chamou, de certa forma, também influencia no nosso som, tanto pelas bandas que as pessoas tocam, quanto pelas pessoas mesmo, que a gente gosta muito de todos. Então, quando a gente estava criando as músicas, quando finalizava alguma base, algum instrumental, a gente ficava pensando: “Putz, isso aqui é a cara de fulano de tal”, sabe? Aí a gente chegou no ponto de que resolveu a fazer os convites e a galera resolveu aceitar. A gente ficou maior feliz e partimos para o lance do colaborativo e encher de participações mesmo, e a gente curtiu pra caramba isso.

supercombo-rogerio-capaLIGADO À MÚSICA: Você comentou de influências. O que costumam ouvir geralmente?

LÉO RAMOS: Cara, a gente ouve muita coisa brasileira, principalmente dessas bandas novas da cena atual, como o Scalene, o Far From Alaska, o Medulla, a gente gosta mesmo, de verdade. A gente ouve bastante coisa internacional também. O Paulinho é um cara que gosta mais de jazz, por exemplo. A gente tenta misturar ao máximo as influências para fazer essas composições bizarras. (risos)

LIGADO À MÚSICA: Vamos falar de “Superstar” agora. Como foi participar do programa?

LÉO RAMOS: Cara, foi irado. Aquilo para mim, e tenho certeza que para os meninos da banda também, parecia um acampamento de verão, sabe? Só que com várias bandas iradas e com uma galera muito sangue bom. Não tinha clima de competição, era uma coisa muito de amigos, sacou? Foi uma coisa que dá a maior saudade só de lembrar.

LIGADO À MÚSICA: Valeu você falar sobre esse clima de parceria.

LÉO RAMOS: Sim. Não sei como é assistir em casa, enquanto você está lá tocando. Mas eu sei que muita gente achava que aquilo era uma competição. Quer dizer. De certa forma era, mas entre nós pelo menos, cara, um ajudava o outro com alguma coisa. A gente meio que queria ver a galera bombando mesmo, sabe? Era muito legal.

LIGADO À MÚSICA: Recentemente, entrevistamos o Paulo Ricardo, e ele comentou de vocês e do Scalene como representantes atuais do rock nacional. Como você encara essa responsabilidade?

LÉO RAMOS: Cara, eu não sei, sinceramente. (risos)
Eu me sinto honrado, de verdade, de fazer parte disso e as pessoas acharem isso da gente. Eu fico muito feliz, porque a gente está aí na estrada faz uns 9 anos, e a gente sempre foi uma banda meio que despretensiosa. A gente meio que fazia o que queria, do jeito que queria, e o que viesse sempre seria lucro. Eu fico muito feliz, porque a gente está colhendo os frutos muito legais fazendo tudo do jeito que a gente gosta, do jeito que a gente sempre sonhou. Então ver esse resultado é muito gratificante.

SERVIÇO:
Festa Avalanche
Data: 29 e 30 de outubro (sábado e domingo)
Horário: 18h (abertura da casa)
Local: Clash Club – Rua Barra Funda, 969, Barra Funda. (11) 3661-1500
Ingressos: de R$ 40 (meia-entrada; Pista; 1º lote) a R$ 300 (inteira; Full Experience; 1º lote).
Vendas online:
https://www.ticket360.com.br/evento/6204/avalanche-apresenta-supercombo-ego-kill-talent-e-far-from-alaska
Classificação indicativa: 16 anos.